1º Dia de Campo do Algodão com Biotecnologia no perímetro irrigado de Jaíba

Produtores familiares dos municípios da região da Serra Geral de Minas, do município de Jaíba, estiveram reunidos no dia 22 de maio no “1º Dia de Campo do Algodão com Biotecnologia”, como opção de negócios para o Perímetro Irrigado de Jaíba e região.
O evento foi realizado pela Prefeitura Municipal de Jaíba, AMIPA – Associação Mineira dos Produtores de Algodão e SEAPA – Secretaria de Agricultura de Minas Gerais. O Dia de Campo do Algodão com biotecnologia foi realizado na Gleba B6, Lote 54, do produtor familiar Alício Romualdo da Silva, no Perímetro Irrigado de Jaíba.
Várias autoridades estiveram presentes no evento, entre elas, o prefeito Municipal de Jaíba, Sildete Rodrigues de Araújo, Detim, os secretários de agricultura de Jaíba, Aílson Mendes Ramos, e de Matias Cardoso, José Justo da Silva, o coordenador executivo da AMIPA, Lício Pena de Sairre, o coordenador regional da Emater-MG, Arquimedes Batista, o gerente executivo do Projeto Jaíba, Alexandre Hideki Kawakami, o presidente da AMIPA, Inácio Urban, o gerente do Banco do Nordeste agência de Janaúba, João Dias Correia, o coordenador do Proalminas, João Ricardo Albanez, o engenheiro agrônomo da MDM Sementes de Algodão de Uberlândia, empresa do grupo Monsanto, Ricardo Freitas, o idealizador do “Projeto de Retomada do Algodão no Norte de Minas” e secretário de agricultura da prefeitura de Catuti-MG, José Barbosa Filho, Zinga, o Coordenador Técnico Administrativo do DIJ, Eng. Marcos Braga Medrado, o contador do DIJ, Joelson Dias de Moraes, o engenheiro agrônomo da Emater-MG, de Mocambinho, Luiz Antônio do Nascimento, autoridades do município de Jaíba, representantes da indústria têxtil Cedro e Cachoeira, fios e tecelagem de Pirapora além de produtores de Jaíba, do triângulo mineiro, Mato Verde, Catuti, Janaúba, Pai Pedro e Monte Azul.
O evento contou com a participação também da diretora Maria Jaqueline da Silva e alunos do ensino fundamental e médio da Escola Estadual Guimarães Rosa, do NS1, Área A.
A programação contou com quatro estações de diferentes temas. Os participantes tiveram a oportunidade de conhecer e discutir de perto as tecnologias que impulsionam os ganhos de produtividade e qualidade obtidos nas lavouras, como: Biotecnologia, Preparo do Solo – Subsolagem, Manejo de Pragas, Nutrição de Plantas, Comercialização e Associativismo. Além disso, eles puderam observar o potencial da planta, que é geneticamente modificada, com o uso de irrigação, custo de produção e qualidade da fibra.
As estações contavam com os seguintes temas: “Proalminas – Programa Mineiro de Incentivo a Cultura de Algodão; “Manejo de Plantas, fisiologia e nutrição, benefícios da biotecnologia para o agricultor”; “Aspectos técnicos da implantação do algodão no Norte de Minas com uso de irrigação e ”Crédito Rural Orientado”. O técnico agrícola José Tibúrcio explicou sobre o algodão:
“O algodão geneticamente modificado é resistente as principais pragas, como largartas maça, curuquerê e rosada, além do ciclo ser menor que o convencional. Com a tecnologia, o controle das pragas é 100% eficaz. Enquanto o algodão rotineiro produz cerca de 40 ton por hectare, o com biotecnologia produz cerca de 200 ton por hectare”.
A atual administração “Contruindo Resultados”, do município de Catuti, através da iniciativa do prefeito Hélio Pinheiro juntamente com o Deputado Federal Márcio Reinaldo, vem buscando mais benefícios em prol do projeto de Algodão no município e região.
Segundo o prefeito Hélio, Catuti já foi beneficiado neste ano, com trator e implementos agrícolas e o deputado Márcio Reinaldo já colocou emenda no Ministério da Agricultura de R$ 1 milhão e 700 mil que serão destinados ao Projeto de Algodão no Norte de Minas.
José Barbosa Filho, Zinga, secretario de agricultura do município de Catuti, é o idealizador do “Projeto de Retomada do Algodão no Norte de Minas”, ele ressalta que o Projeto surgiu devido ao êxodo rural, procura de emprego e meios de sobrevivência e com isso ele viu a necessidade de geração de emprego e renda na região e o algodão é uma alternativa, pois já foi o ouro branco do Norte de Minas na década de 80.
“Parabenizo a prefeitura de Jaíba pela iniciativa do Dia de Campo e aos produtores por acreditar que a biotecnologia veio para ficar. Com o algodão nada se perde da pluma extrai-se o fio para confecção de tecidos, do caroço se extrai a torta para alimentação animal e o óleo será destinado à futura indústria de Biodiesel. Isso realmente é geração de emprego e renda,” salienta Zinga.
O prefeito de Jaíba, Detim, ressaltou a iniciativa de Zinga em trazer para o Norte de Minas o “Projeto de Retomada do Algodão”, salientando que Catuti é um exemplo no plantio desta cultura, pois já conseguiram recursos para aquisição de máquinas, implementos agrícolas e uma esmagadora de oleaginosas.
“Uma das maiores virtudes do meu governo é o apoio o nosso produtor familiar. Vamos viabilizar ações que gerem emprego e renda, para que o colono cresça no Perímetro Irrigado de Jaíba. É de grande importância para nós mantermos a parceria com o DIJ, Emater-MG, Epamig, Ruralminas, SEAPA, AMIPA, entre outros órgãos para que eventos como esse do algodão venham a acontecer sempre”, ressalta Detim.
O secretário de agricultura de Jaíba, Aílson Mendes Ramos também salientou a importância de se investir no plantio de algodão, no município.
“É de grande valia a significante iniciativa da Prefeitura de Jaíba em apoiar as atividades rurais. O algodão é uma nova alternativa de plantio, em período chuvoso, levando em consideração que a nossa região já foi uma grande produtora de algodão em outros tempos. Pois, temos diversos agricultores que se identificam com a cultura, que gera emprego e renda”.
O coordenador técnico administrativo do DIJ, Marcos Braga Medrado reitera o apoio da entidade e incentiva o plantio de algodão no Perímetro. Segundo ele, o pequeno produtor pode ser inserido na comercialização do algodão no mercado estadual e nacional, pois o Jaíba tem potencial para isso, basta o produtor acreditar, e se empenhar e cultivar sua lavoura para que os resultados sejam alcançados.
“O DIJ apóia e parabeniza a iniciativa da prefeitura de Jaíba e do secretário de agricultura, por esse importante evento de incentivo ao produtor rural”, salienta Marcos, coordenador técnico administrativo do DIJ.
Na estação, João Ricardo Albanez, coordenador do Proalminas – Programa Mineiro de Incentivo à Cultura do Algodão ressaltou os benefícios do programa.
“O Proalminas beneficia tanto a indústria, quanto o produtor familiar. O lucro do produtor aumenta quando vende a pluma do algodão para a indústria. Isso permite que o produtor do Norte de Minas obtenha 9% a mais no preço do algodão, tendo assim, o melhor preço do Brasil. Temos as indústrias mineiras que compram a pluma como a Cedro em Pirapora e a Coteminas em Montes Claros. Minas Gerais só produz 17% do algodão necessário para suprir suas próprias indústrias, com isso a maior parte é comprada de outros Estados.”
Lício Pena, coordenador da AMIPA ressaltou aos participantes que o algodão com biotecnologia é uma importante fonte de geração de emprego e renda, além de ter menos gastos, pois são usados menos defensivos.
O Dia de Campo do Algodão foi encerrado com um almoço oferecido aos participantes no lote do produtor familiar Alício Romualdo da Silva que está satisfeito com o seu plantio de algodão.